Arte-Educadora do Espaço Viveka promove palestra sobre Tomie Ohtake.

Tomie

 

A arte-educadora Zilpa Magalhães será a mediadora da próxima atividade intitulada “Série Perfil”:  palestra que se realizará no Edifício EducaMais, localizado na cidade de Jacareí (SP), com projeto arquitetônico de Ruy Ohtake, inaugurado em setembro de 2014.

 

Esta primeira edição do ano da “Série Perfil” será realizada no próximo sábado (14/05) às 16h – e a arte-educadora contará a vida e trajetória artística de Tomie Ohtake, considerada “A Dama das Artes Plásticas no Brasil”.  Ela começou a pintar aos 39 anos de idade, nasceu em Kyoto, no Japão, e em 1936 chegou ao Brasil. Em 12 de fevereiro de 2015, faleceu com 101 anos. A obra de Tomie destaca-se tanto na pintura, como na gravura e na escultura. Marca ainda a sua produção as mais de 30 obras públicas desenhadas na paisagem de várias cidades brasileiras e em Tóquio.

 

O evento conta com a realização do Benedire Café e Livraria, com o apoio do EducaMais, Espaço Viveka e ArteKula. Quanto à “Série Perfil”: trata-se de palestras sobre biografias de artistas e/ou movimentos de arte, voltados para todos os tipos de público. O objetivo é movimentar o ambiente, criar recursos que despertem o interesse das pessoas para a arte, que ampliem percepções também para a vida.

 

Quer saber mais e como participar dessa atividade, basta entrar em contato de segunda à sexta-feira, das 14h às 21h na secretaria do Espaço Viveka, e falar com Priscila – Rua Professora Sebastiana Silva Minhoto, 375 – próxima ao metrô Carrão. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone: (11)2295-7961.

 

Manhã Impressionista

 

Para muitos o último sábado (07/05) foi um dia como qualquer outro. Já para aqueles que participaram da Manhã Impressionista com música ao vivo, realizada na praça em frente ao Espaço Viveka, esse dia ficou marcado de forma notória. Com a mediação da arte-educadora Zilpa Magalhães, a atividade, que começou por volta das 9h, contou com a participação de um público que acabou se surpreendendo com as próprias pinceladas, tendo a natureza como fonte de inspiração.

 

A atividade despertou curiosidade até mesmo em quem transitava pelas ruas ao lado, pois ali na pracinha havia mesas, cavaletes, bancos, tinta fresca e muita criatividade na mente e no corpo de cada participante.

 

Fomos brindados com o inspirador violoncelista Fabrício Fruet – que apresentou um concerto musical com a famosa Suíte n.1 em Sol Maior para violoncelo solo (Johann Sebastian Bach);  O Cisne (Camille Saint-Saëns);  Concertino n.4 (Jean-Baptiste Breval); Amazing Grace (John Newton); Gavotte (François-Joseph Gossec); Tema do filme O Poderoso Chefão (Nino Rota); Minueto em Sol Maior (Csristian Petzold); Abide With Me (William Henry Monk), entre outras.

 

Somando-se a isso, alguns convidados ganharam massagens oferecidas pela massoterapeuta Letícia Larcher Longo que, com dedicação e carinho, fez com que a atividade tomasse uma dimensão ainda maior.

 

Na opinião de Maria Bernadete Chiarastelli, todas as atividades realizadas pela equipe do Espaço Viveka contribuem para seu crescimento pessoal e artístico. “Esse encontro da pintura na praça é maravilhoso, pois proporciona autoconhecimento e liberdade na minha criação”, diz ela ao mostrar a sua pintura, que teve como inspiração uma árvore de primavera.

 

Já para Regina Carla Fruet, que também participou da Vivekinha Pintando com Van Gogh, realizada no mês passado, a Manhã Impressionista foi bastante significativa, principalmente para o seu filho Enzo (5 anos), que pintou quatro telas e surpreendeu a todos. “Depois que nós fizemos a Vivekinha do Van Gogh, o Enzo voltou para casa falando de algumas coisas que tem na escola dele, referindo-se aos quadros. O que eu percebi naquela atividade é que a Zilpa trabalhou também com a observação e a leitura de todas as pinturas feitas pelos participantes durante aquela atividade”, diz e revela ainda que não queria que a atividade da Manhã Impressionista tivesse terminado tão cedo.

 

“Essa atividade é deslumbrante, revigorante e, ao mesmo tempo, fiz uma viagem para outra dimensão, tudo isso associado à música. A gente até perde a noção do tempo ao estimular nosso raciocínio e imaginação”, explica Maria Helena Rachid, que pintou uma tela usando conceitos aprendidos no encontro sobre Sumi-ê (30/04), utilizando-se de assimetrias, além de associações com cores que lembram Van Gogh.

 

Depois das pinturas prontas, a arte-educadora Zilpa Magalhães propôs aos participantes fazerem algumas leituras e reflexões diante daquela produção artística, dentro da sala Anita. Assim, eles puderam analisar não somente suas próprias criações, mas também as dos outros participantes da atividade, trazendo à tona percepções de cor e forma, luz e sombra, suavidade e densidade, movimento etc. revelando e relacionando as várias sensações que as imagens geravam.

 

Fabricio Fruet fechou com chave de ouro nossa Manhã Impressionista, contextualizando algumas de suas escolhas musicais para o evento e voltando a tocar Bach (Prelúdio da Suíte n.1) e Saint-Saëns (o Cisne).

 

Clicar no link: Manhã Impressionista

 

cello-2

 

Cristiane

mãe e filho

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>