O Segredo das Catedrais e sua Geometria Sagrada, no Espaço Viveka

chartres planta elevação

Durante todo mês de abril foram realizadas algumas atividades na Sala Anita do Espaço Viveka que, sem dúvida alguma, agradaram todas as idades e gostos. Mas, atenção: as atividades não param por ai, pois nada melhor do que encerarmos o último final de semana do mês com uma apresentação que, no mínimo será muito interessante, sobre o simbolismo das formas geométricas, a beleza e a Harmonia (música) em consonância com o Divino.

 

Tal oportunidade será realizada no próximo sábado dia 25, das 15h às 17h, com a apresentação da palestra “O Segredo das Catedrais, Sua Geometria Sagrada”, onde o arquiteto palestrante Edson Tani apresentará as proporções áureas nas formas e os simbolismos a partir de exemplos como o da Catedral Notre Dame de Chartres, na França.

 

O arquiteto explica que essa catedral, em particular, tem uma história belíssima, pois nela não se têm registrado o nome de seus autores, dos mestres arquitetos, dos construtores etc. Conta-se, segundo Tani, que naquele momento histórico não havia motivo de as pessoas quererem ter seus nomes em destaque, não havia individualismo. Quer algo mais importante do que servir a Nossa Senhora? Isso era mais do que suficiente! Toda a comunidade estava unida num mesmo objetivo: o de criar um mundo onde tornasse possível a conexão entre o Céu e a Terra! “Talvez esse seja um lindo exemplo para repensarmos nossa postura frente ao mundo atual: Será que não é este o momento da comunidade planetária se unir para re-construir a nossa Catedral Terra”? questiona o arquiteto Tani, ao lembrar que a palestra é voltada para estudantes e interessados em geral.

 

Edson Tani é Arquiteto formado pela FAUUSP. Mestre pela Universidade Mackenzie; Professor de Design e Arquitetura na Uninove; 1º. Lugar Prêmio Design Museu da Casa Brasileira 1990; 1º. Lugar no Concours Internationale d´Ouvrages du Sable (escultura em areia) Air France, Le Figaro – La Baule, França 1972. Ele também ministra cursos de Proporção Áurea para Designers em indústrias e Escritórios de Design e estudou Geometria Sagrada, Música, Estética e Filosofia da Arte com o prof. Ricardo Rizek.

 

Atenção: Lembramos aos interessados que, além dessa palestra, ainda dá tempo de participar das aulas de Orientação Profissional, destinadas para alunos do Ensino Médio e candidatos à formação de Ensino Superior, com a coordenação de Renata Magalhães. Os encontros acontecem todas as sextas feiras, no horário das 16h.  Aos participantes serão apresentados conceitos sobre: investigação e conhecimento do universo das profissões, o mercado de trabalho com visão abrangente e a projeção de perspectivas futuras.

 

As inscrições para participar dessas duas atividades podem ser feitas de segunda a sexta, das 14h às 21h – na secretaria do Espaço Viveka ou pelo telefone: (11) 2295-7961/2225-1285, ou através dos e-mails: contato@espacoviveka.com.br – viveka@viveka.com.br.

Lembrando que é oferecido certificado por hora/atividade.

 

O Espaço Viveka está localizado na Rua Professora Sebastiana Silva Minhoto, 375 – Próximo do Metrô Carrão – no Bairro do Tatuapé.

 

Aqui você encontra a articulação de várias áreas de conhecimento, como os cursos nos Ateliês de Desenho, Pintura e Escultura; a área de Educação, composta por equipe multidisciplinar; os espaços de Terapias, que visam a promoção de bem estar; dentre tantas outras possibilidades. Visite também nosso site: www.espacoviveka.com.br.

Artes Indígenas foi tema da última palestra realizada no Espaço Viveka

Arthur_foto1

A convite da nossa arte/educadora Léia M. Freire, o professor Arthur Iraçu Amaral Fuscaldo esteve no último sábado (11) no Espaço Viveka para palestrar sobre: Artes Indígenas – música, artefatos e suas concepções cosmológicas.

 

Por se tratar de um tema com ampla diversidade, Arthur sintetizou alguns conceitos e ideias gerais sobre o que é a produção estética de alguns povos indígenas.  E foi a partir dessa perspectiva que foram abordados exemplos de concepções estéticas e cosmológicas indígenas vinculadas à produção de artefatos ou músicas, tendo como referência pesquisas do próprio palestrante e de outros autores das áreas de Antropologia, Etnomusicologia e Artes.

 

Ele apresentou, através de fotografias, exemplos ligados aos costumes, curiosidades e culturas de alguns povos, em especial do Povo Indígena A’uwẽ – Xavante, com quem ele trabalhou e trocou experiências para concluir o tema de pesquisa de seu mestrado.

 

Arthur também mencionou a produção de artefatos dos Wayana e dos Kaxinawa, entre outras.

 

Ao palestrar sobre as Artes Indígenas, o educador esclarece que um dos seus objetivos é apresentar aos participantes um olhar mais etnológico das expressões estéticas indígenas que, segundo ele, não seguem os mesmos fundamentos e princípios daquilo que chamamos de arte no ocidente. “A ideia é olhar para a cosmologia desses povos, como eles entendem e explicam sua produção estética, de onde provêm seus cantos e artefatos. Geralmente, a própria mitologia deles explica essa origem”, conta Arthur ao esclarecer que para alguns Povos, como o Xavante, os sonhos permitem visitar diferentes lugares e ouvir cantos que raramente se ouvem fora dos sonhos, como por exemplo os cantos de alguns animais.  A origem das artes entre muitos dos povos indígenas, explica Arthur, está ligada a esse trânsito entre diferentes mundos.

 

Apesar da pouca divulgação sobre a cultura desses povos, Arthur se diz otimista ao lembrar que muitas pesquisas estão sendo realizadas sobre eles, que hoje totalizam aproximadamente 227 etnias existentes, com mais ou menos 180 línguas indígenas. “Sou otimista quanto à divulgação, principalmente com a lei que prevê a obrigatoriedade da temática, História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena, no curriculum escolar”, diz ao sintetizar, “isso tem mobilizado bastante o nosso meio educacional, por meio de cursos, palestras e materiais didáticos, o que pode acarretar uma visibilidade maior, ou ao menos, um olhar mais atento às culturas desses diferentes Povos indígenas”.

 

Em sua opinião o contato com a produção estética indígena, seja ela sonora, ou visual, é uma oportunidade de conhecer modos específicos de ver e de se relacionar com o mundo, próprios de cada Povo em questão.

 

Questionado quanto ao interesse pelas culturas e artes indígenas, Arthur diz que tem um lado que é bastante pessoal, uma busca pelas histórias dos antepassados de sua própria família, de Belém do Pará, descendente de indígenas. A isso se somou o fato de que nas experiências como aluno e depois como professor de artes/música, sentiu que as culturas indígenas poderiam ser um referencial a mais, para os procedimentos educacionais de modo geral e para as possibilidades de experiências estéticas. “Enfim, penso que temos muito a aprender não apenas sobre eles, mas também com eles”.

 

Ao finalizar, Arthur lembrou aos participantes que está programando um curso de extensão e uma pós-graduação ligada à temática, com a duração de 18 meses.

Mestre em Arte e Educação pelo Instituto de Artes da UNESP, Arthur tem experiências como educador em instituições públicas e privadas desde 1998. Atualmente ministra aulas em cursos de pós-graduação, palestras e oficinas em diferentes espaços culturais e atua como Educador Cultural no Programa Fábricas de Cultura – vinculado à Secretaria de Cultura do Estado. Desenvolveu pesquisa com financiamento da FAPESP referente às atividades oníricas e musicais dos indígenas A’uwẽ – Xavante da aldeia Etenhiritipa. Pesquisador do grupo de pesquisa “Arte e formação de educadores”, da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP) – CNPQ, desde 2007. É autor do livro “Rowapari’nho’re: sonhar e pegar cantos no xamanismo a’uwẽ-xavante” (em processo de publicação – lançamento previsto para Agosto de 2015).

 

Na opinião da nossa arte/educadora Zilpa Magalhães, a palestra do professor Arthur bem como as demais atividades realizadas no Espaço Viveka, tem como intuito a nossa própria reflexão. “As atividades na Viveka buscam esse lugar de encontro com nós mesmos, caso contrário, não há crescimento individual”, diz Zilpa.

 

Espaço Viveka está localizado na Rua Professora Sebastiana Silva Minhoto, 375 – Próximo do Metrô Carrão – no Bairro do Tatuapé.

 

Aqui você encontra a articulação de várias áreas de conhecimento, como os cursos nos Ateliês de Desenho, Pintura e Escultura; a área de Educação, composta por equipe multidisciplinar; os espaços de Terapias, que visam a promoção de bem estar; dentre tantas outras possibilidades. Visite também nosso site: www.espacoviveka.com.br.

 

 

 

Panorama da História da Arte Ocidental abre a temporada para novas atividades no Espaço Viveka

Pan -2 para blolg

 

A segunda aula do Curso Panorama da História da Arte Ocidental dará início às demais atividades agendadas para este mês de abril, aqui no Espaço Viveka.

 

Vale a pena conferir!

 

Como já havíamos descrito, a nossa arte/educadora Zilpa Magalhães, em sua primeira aula, realizou leituras e comentários juntamente com os participantes, focando o olhar para algumas imagens de obras de arte da Grécia Antiga. Quem por lá esteve (na sala Anita da Viveka) pôde conhecer alguns aspectos históricos, sociais e artísticos dessa importante civilização.

 

Para o próximo encontro que será dia 6 de abril (próxima segunda feira), os interessados poderão conhecer um pouco mais sobre o Período Medieval – época dos grandes castelos e das imagens carregadas de significados metafísicos, com início no século V da nossa era.

Este segundo encontro terá início às 19h30, com encerramento previsto para as 21h30.

 

Neste mês também estarão abertas as inscrições para as novas turmas das Oficinas de Orientação Profissional, destinadas aos jovens com dúvidas sobre a profissão a seguir no futuro. No total serão 10 encontros voltados para alunos do Ensino Médio e Candidatos ao Ensino Superior, sob a coordenação de Renata Magalhães, que irá esclarecer temas referentes ao universo das profissões, mercado de trabalho e planejamento de perspectivas futuras. Os encontros acontecerão às sextas feiras, a partir do dia 10 de abril, às 16h.

 

Já no dia 11 (sábado), das 9h às 12h, as atividades realizadas serão palco de novas descobertas, em que o professor Arthur Iraçu Amaral Fuscaldo abordará a Produção Estética Indígena, sonora e visual, próprias de cada Povo em questão, tendo como referência, dentre outras, pesquisas do próprio palestrante. Este encontro com as Artes Indígenas é voltado para professores, estudantes e interessados em geral.

 

Mais ou menos nesse mesmo horário, das 9h30 às 12h30, a arte/educadora Priscila de Carvalho Okino proporá para a animada turma da Vivekinha (crianças a partir de quatro anos de idade) a criação de livros com técnicas Pop-Up, kirigami e Origami, através da Oficina de “Construção de Livros com Mecanismos POP-UP”.

 

Cópia Fiel: ainda dá tempo de participar da última parte do minicurso baseado no filme Cópia Fiel, sob a coordenação e reflexão da nossa psicóloga Aceli de Assis Magalhães, que usou da linguagem e do olhar do diretor Abbas Kiarostami, para pensarmos as nossas relações familiares, desde a modernidade e de como elas se mantêm na pós-modernidade.

Nesse último encontro o tema em questão será: “Sentimentos e relações conjugais: sob o olhar dos homens”. Data: dia 11 de abril (sábado), no horário das 15h.

 

Nos dias 13, 20 e 27 de abril será realizado um curso de PowerPoint, sempre no horário, das 19h30 às 22h30, sob a orientação da designer gráfica Caiuh Domingues, que ensinará aos participantes como organizar e estruturar as principais ferramentas do PPT.

 

Próximo do encerramento das atividades do mês de abril, o professor Edson Tani ministrará a Palestra “O Segredo das Catedrais e sua Geometria Sagrada”, com enfoque no Simbolismo das formas Geométricas, a Beleza e a Harmonia (música) em consonância com o Divino. Para estudantes e interessados em geral, a apresentação será dia 25 de abril, das 15h às 17h.

 

As inscrições para essas atividades (com certificado de participação) podem ser feitas antecipadamente de segunda a sexta, das 14h às 21h, pelo telefone 11- 2295-7961, ou pelo e-mail:  contato@espacoviveka.com.br

 

O convite para tomar aquele cafezinho com a gente continua em aberto. Tal oportunidade poderá proporcionar aos visitantes um verdadeiro deleite, saboreando também o conjunto da exposição de vídeo e fotografias da série “Tanto”, da obra de Anderson Novais, expostas no Espaço Passagem. No último sábado (29/3) o artista esteve no local para a realização de novas experiências e vivências realizadas nas instalações. Com curadoria do artista plástico Luís Octávio Rocha e organização da nossa arte/educadora Léia M. Freire, o obra está sendo apresentada em dois televisores de tubo, o que tem gerado curiosidades diversas aos visitantes que por lá estiveram. Que tal agendar uma visita ao Espaço Viveka?

 

O Espaço Viveka está localizado na Rua Professora Sebastiana Silva Minhoto, 375 – Próximo do Metrô Carrão – no Bairro do Tatuapé.

Aqui você encontra a articulação de várias áreas de conhecimento, como os cursos nos Ateliês de Desenho, Pintura e Escultura; a área de Educação, composta por equipe multidisciplinar; os espaços de Terapias, que visam a promoção de bem estar; dentre tantas outras possibilidades. Visite também nosso site: www.espacoviveka.com.br.

 

Angela Marconato

Abertas as inscrições para novas turmas de Orientação Profissional

BLOG_Orientação Profissional, div

Atenção jovens quanto à escolha da profissão. Para isso, nada melhor do que refletir sobre seu futuro, inscrevendo-se para as novas turmas das Oficinas de Orientação Profissional realizadas no Espaço Viveka.

No total serão 10 encontros (sempre nas tardes de sexta-feira), destinados para alunos do Ensino Médio e Candidatos ao Ensino Superior, sob a coordenação de Renata Magalhães, que irá esclarecer temas voltados para o universo das profissões, mercado de trabalho e planejamento de perspectivas futuras.

Os encontros acontecem às sextas feiras, a partir do dia 10 de abril, às 16h.

Segundo Renata, aliado às alterações físicas e psíquicas próprias da idade, os jovens costumam viver a insegurança da escolha profissional. Deste modo, ter que definir o futuro frente a tantas mudanças, não é tarefa fácil.  De acordo com ela, dados do Censo da Educação Superior apontam uma crescente defasagem entre o número de pessoas que entram nas faculdades, e as que de fato concluem um curso universitário. “Pesquisas apontam que 53% da população profissionalmente ativa exercem profissão distinta daquela para a qual se preparou”, explica ela.

A educadora ressalta que a escolha errada da profissão pode levar a uma série de doenças, em decorrência de insatisfação psicológica, provocada pelo exercício de uma atividade diferente da pretendida. “Portanto, a orientação profissional e o desenvolvimento do autoconhecimento vocacional são essenciais para a formação dos nossos jovens, que no futuro serão responsáveis e colaboradores do desenvolvimento de toda a nação”, conclui Renata, que reforça o convite para que os jovens venham refletir e descobrir sua vocação aqui no Espaço Viveka.

As inscrições para essas atividades (com certificado de participação) podem ser feitas de segunda a sexta, das 14h às 21h, na secretaria do Espaço Viveka. Informe-se através do telefone 11- 2295-7961.

 

Angela Marconato